terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Thaís de Sá Fravoline e Eliane




Um comentário:

JR disse...

Conheci Thaís numa ocasião curiosa, em Brasília, ocasião esta, da qual os pouparei dos detalhes.
O importante aqui é dimensionar o impacto que a obra de Thaís causou em mim. A forma como ela trabalhou o texto, como descreveu as "bizarrices" da cidade, ou mesmo a forma como pincelou as palavras, são características de quem já está muito bem familiarizado com Língua Portuguesa. Só alguém com as qualidades de um verdadeiro escritor - é assim que a classifico - pode fazer com que o leitor tenha uma imagem muito nítida da cidade de Laje do Muriaé sem mesmo tê-la visto.
Thaís, com a capacidade que tu tens, seria um mero clichê dizer a ti "Boa sorte". Acho que tu não necessitas de sorte. O que precisas é escrever sempre mais, para que as tuas palavras continuem causando em muitos outros o impacto - postivo - que causou em mim.
Thaís, um beijo enorme de um admirador teu e da tua obra: Israel Júnior.



"Funerária Boa Viagem"